Publicações

 

capa do livro Centros e Museus de Ciência do Brasil 2015   Este relatório apresenta os principais resultados da pesquisa TIC Centros Públicos de Acesso 2013, que foi realizada pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) com apoio da Secretaria de Inclusão Digital do Ministério das Comunicações e do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA).
   

 

capa do livro Centros e Museus de Ciência do Brasil 2015   Este documento apresenta relatório do Grupo de Trabalho (GT) criado pela Portaria nº 4.420, de 22 de setembro de 2015, do Ministério das Comunicações (MC), com a finalidade de realizar estudos e apresentar propostas de atos e alternativas de políticas públicas, que abordem aspectos jurídicos, técnicos e econômicos, quanto às perspectivas de evolução das concessões de telefonia fixa no país, considerando a importância de estimular o desenvolvimento da infraestrutura de suporte à banda larga.
   

 

capa do livro Centros e Museus de Ciência do Brasil 2015   Esta publicação apresenta, inicialmente, uma breve visão da pesquisa, o plano de amostragem, esclarecimentos sobre os indicadores-chave das TIC, uma análise das informações produzidas sobre esse tema e o Glossário com os termos e conceitos necessários para a compreensão desses resultados.
   

 

capa do livro Centros e Museus de Ciência do Brasil 2015   Esta publicação apresenta, inicialmente, uma breve visão da pesquisa, o plano de amostragem, esclarecimentos sobre os indicadores-chave das TIC, uma análise das informações produzidas sobre esse tema e o Glossário com os termos e conceitos necessários para a compreensão desses resultados. No CD-ROM que acompanha esta publicação, encontram-se as tabelas com os resultados da pesquisa.
   

 

capa do livro Centros e Museus de Ciência do Brasil 2015   O Programa Nacional de Banda Larga foi criado com o objetivo de ampliar o acesso à banda larga no país e a qualidade dos serviços de voz e dados.
   

 

capa do livro Centros e Museus de Ciência do Brasil 2015    
   

 

capa do livro Centros e Museus de Ciência do Brasil 2015   A construção do caminho para superar o abismo social que divide a sociedade brasileira é o grande objetivo do Programa Nacional de Banda Larga. A inclusão social possui hoje uma nova e importante dimensão: a inclusão digital. A estratificação social e o acúmulo de riqueza cada vez se dão mais em função da capacidade de acessar, produzir e circular o conhecimento. A inclusão digital é uma questão de cidadania: um novo direito em si e um meio para assegurar outros direitos à população.
   

 

capa do livro Centros e Museus de Ciência do Brasil 2015   The digital inclusion should encourage the practice of citizenship, providing possibilities for cultural, educational, social and economic promotion of the Brazilian society. The Internet is an essential tool, but alone it does not ensure social development or the promotion of social justice. (Versão Inglês)
   

 

capa do livro Centros e Museus de Ciência do Brasil 2015   A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural, educacional, social e econômica da sociedade brasileira. A internet é uma ferramenta fundamental mas, por si só, não garante o desenvolvimento social ou a promoção da justiça social.
   

 

capa do livro Centros e Museus de Ciência do Brasil 2015   O telefone celular superou o computador como o equipamento de acesso à Internet mais difundido nos domicílios brasileiros
   

 

capa do livro Centros e Museus de Ciência do Brasil 2015   O livro que você tem em mãos é a terceira edição do guia de Centros e museus de ciência do Brasil. Ele contém informações essenciais sobre 268 espaços científico-culturais brasileiros, como museus, planetários, jardins botânicos, zoológicos, aquários, unidades de ciência móvel e associações que atuam na popularização da ciência e tecnologia no país. Ele é um instrumento importante para a divulgação ao público geral, em especial, às escolas, de oportunidades fascinantes para conhecer mais sobre ciência, se divertir com ela, ter a curiosidade estimulada, aprender, experimentar, inventar, criar novas perguntas... Esses espaços não formais são valiosos para a construção da cultura científica, para a cidadania e como auxílio ao aprendizado. Ajude-nos a difundir amplamente esta publicação. Trata-se de um esforço significativo da Associação Brasileira de Centros e Museus de Ciência, da Casa da Ciência da UFRJ e do Museu da Vida/Fiocruz, com o apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). Este guia nos possibilita perceber como evoluímos na última década. O crescimento significativo dessas instituições, resultado da criação de novos espaços e incorporação de outros, é muito promissor. 
   

ePUB  iBooks (Apple)    Executável (Windows)

 

capa do livro Centros e Museus de Ciência do Brasil 2015   Conforme o Despacho Telegráfico nº 612, de 19.9.2002, enviado pelo Ministério das Relações Exteriores à Embaixada do Brasil em Berlim, o Secretariado da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima foi oficialmente comunicado pelo governo brasileiro que a Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima é a Autoridade Nacional Designada para aprovação de projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo do Protocolo de Quioto. Diante disso, a partir do momento em que a CIMGC foi designada pelo governo brasileiro como Autoridade Nacional Designada, esta passou a ser responsável por todas as ações relativas ao Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no País.
   

 

  A ENCTI 2016-2019 é o documento de orientação estratégica de médio prazo para a implementação de políticas públicas na área de CT&I, bem como servir de subsídio à formulação de outras políticas de interesse. Elaborada a partir de uma consulta pública e amplamente debatida com os atores do setor, essa Estratégia dá continuidade e aperfeiçoa sua antecessora, reforçando pontos de sucesso ainda por avançar, corrigindo rumos e estabelecendo novas ações oportunas para o contexto vigente e para tendências futuras. O documento busca não apenas traçar a estratégia de CT&I, mas demonstrar o estado da arte da política de CT&I promovida no país, justificar as escolhas aqui feitas e sintetizar a diversidade de entendimentos em um vetor coeso para o usufruto de todos os interessados.
   

 

  No mês de abril, a Terceira Comunicação Nacional do Brasil (TCN) foi submetida à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima. Este documento apresenta os diferentes avanços que o país tem promovido para implementar a Convenção do Clima, as pesquisas que vem realizando para identificar suas vulnerabilidades à mudança do clima, os esforços para elaborar seus planos nacionais que visam reduzir as emissões de gases de efeito estufa, além de inúmeras iniciativas que o governo está realizando para conter o desmatamento, melhorar a eficiência energética e os meios de produção agrícola e pecuária. O documento registra que a natureza transversal das mudanças climáticas e a diversidade geográfica, social, política e cultural do Brasil exige participação de múltiplos atores.
   

  O livro Modelagem Climática e Vulnerabilidades Setoriais à Mudança do Clima no Brasil é um desdobramento da Terceira Comunicação Nacional do Brasil (TCN) à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC, na sigla em inglês). A publicação traz simulações em escala regional e análises de especialistas sobre possíveis impactos de cenários de emissão de gases até 2100 em sete setores – agricultura, biodiversidade, cidades, desastres naturais, energias renováveis, recursos hídricos e saúde humana. Os resultados geraram estudos de vulnerabilidade em diversas regiões brasileiras. Com isso, espera-se que o país esteja cada vez mais bem capacitado para identificar regiões e setores mais vulneráveis com maior grau de confiabilidade do que aquele oferecido pelos modelos globais.