« Voltar

Outono terá temperaturas amenas em todo o país, mas termômetros devem subir no Sul

Aeroespacial Meteorologia, Climatologia e Hidrologia

Outono terá temperaturas amenas em todo o país, mas termômetros devem subir no Sul

Estação começa nesta segunda-feira (20) com o equinócio de outono no hemisfério sul. Previsão indica ainda chuvas abaixo da média no Nordeste, mantendo a seca que já dura cinco anos, e cheia nos rios da Amazônia.

Por Ascom do MCTIC

Publicação: 17/03/2017 | 08:30

Última modificação: 23/03/2017 | 15:33

Entardecer em São Paulo em um dia de outono.

Crédito: Reprodução da internet

O outono começa nesta segunda-feira (20), às 7h29, horário de Brasília, quando ocorre o equinócio no hemisfério sul. Neste dia, dia e noite têm praticamente a mesma duração. À medida que a estação avança, os dias ficam menores até o início do inverno, em 21 de junho.

"Do ponto de vista astronômico, a característica mais marcante é que no início do outono os dias e as noites têm o mesmo comprimento", explica a pesquisadora Josina Nascimento, do Observatório Nacional.

Segundo ela, a inclinação dos raios solares é o motivo para a queda das temperaturas durante o outono. "No verão, os raios do Sol incidem diretamente sobre o hemisfério e, por isso, faz mais calor. Já no outono, os raios solares incidem cada vez com maior inclinação, e as temperaturas são mais amenas. Mas as temperaturas locais, a sensação de calor, a incidência de chuva, umidade do ar e outras características vão depender do local em que estamos e de outras condições climáticas."

Segundo o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (CPTEC/Inpe), no outono, as temperaturas em todo o país devem se manter na média história. A exceção é a região Sul, que deve registrar temperaturas mais altas durante a estação.

"O começo do outono ainda é quente, porque o clima está mais relacionado com o verão do que com o inverno. Se chegar uma frente fria, a temperatura cai", afirma a meteorologista Renata Tedeschi, do CPTEC/Inpe.

Seca

Embora o outono seja o período chuvoso na região Nordeste, a seca deve continuar. A previsão aponta que o volume de chuvas deve ficar abaixo da média histórica nos próximos meses. Uma mudança do cenário depende de uma reviravolta nas condições climáticas. "Já são cinco anos de estiagem e estamos nos encaminhando para o sexto, a não ser que haja uma grande mudança nas condições do Oceano Atlântico. Mas não é o que os nossos modelos indicam", diz Renata.

Cheia no Norte

Por outro lado, a região Norte pode ter uma das maiores cheias já registradas dos rios da bacia amazônica. É no outono que se inicia o chamado "inverno amazônico", período marcado pelo aumento das chuvas e queda da temperatura. "A previsão climática indica que as chuvas vão ocorrer acima da média e pode ser que os volumes dos rios cheguem a níveis recordes, porque o pico da época de inundação ocorre em junho, com o acúmulo de toda a chuva que caiu no outono", destaca o coordenador-geral de Operações e Modelagem do Centro Nacional de Monitoramento de Alertas e Desastres Naturais (Cemaden), Marcelo Seluchi.

Já nas regiões Centro-Oeste e Sudeste, na medida em que o outono avança, as chuvas vão diminuindo até que se configure o período da seca. A estação também é época de atenção à prevenção de desastres naturais. Isso porque, com o solo encharcado após meses de chuvas, aumenta o risco de deslizamentos de terra.

"Temos um histórico grande de desastres registrados em março e abril, principalmente. O solo, agora no fim da estação chuvosa, está muito saturado de água e essa condição favorece a ocorrência de deslizamentos de terra. E, nesses meses, temos chuvas intensas, mesmo que de curta duração, que aumentam o risco de desastres naturais", afirma Seluchi.

Fonte: MCTIC