« Voltar

Apesar dos avanços tecnológicos, rádios permanecem no cotidiano do brasileiro

Inclusão Digital

Apesar dos avanços tecnológicos, rádios permanecem no cotidiano do brasileiro

Na Paraíba, 5 emissoras assinaram os termos aditivos de adaptação das outorgas para migrar para a faixa FM. "É algo impressionante como as rádios são perenes", disse Gilberto Kassab no sétimo mutirão de migração do MCTIC.

Por Ascom do MCTIC

Publicação: 30/06/2017 | 14:56

Última modificação: 11/07/2017 | 09:02

Ministro Gilberto Kassab participou de mutirão de migração de rádios em João Pessoa (PB).

Crédito: Ascom/MCTIC

A tecnologia avança e transforma o mundo, mas a radiodifusão sempre encontra seu espaço para permanecer no cotidiano da sociedade, desde a transmissão das primeiras ondas radiofônicas, há mais de um século. A avaliação é do ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, que participou nesta sexta-feira (30), em João Pessoa (PB), de cerimônia em que cinco emissoras paraibanas assinaram termos aditivos de adaptação das outorgas para migrar da faixa AM para a FM.

"Se há uma marca deste século é a da tecnologia. Os nossos bisavós moraram em um planeta totalmente diferente. Nossos bisnetos vão conhecer um mundo completamente diverso daquele em que nós vivemos hoje, porque tecnologia, ciência e pesquisa transformam a vida em uma rapidez cada vez maior. Porém, com tudo isso acontecendo, algo tem ficado sempre: o rádio. As rádios fazem parte do cotidiano de todos os brasileiros. É algo que veio para ficar já há muito tempo. Enfim, é algo impressionante como as rádios são perenes. E essa é a razão de estarmos aqui, todos nós, festejando esse importante momento."

Cinco emissoras completaram o processo de migração na Paraíba, ao apresentar certidão de regularidade fiscal e quitar o boleto de mudança de outorga de AM para FM: Fundação Cultural Nossa Senhora da Guia, de Patos (PB); Fundação de Desenvolvimento de Picuí (Fundepi), de Picuí (PB); Rádio Cajazeiras, de Campina Grande (PB); Rádio Integração do Brejo, de Bananeiras (PB); e Rádio Potiguara, de Mamanguape (PB). Ao todo, 28 entidades paraibanas manifestaram interesse ao MCTIC em migrar de faixa.

Segundo a secretária de Radiodifusão do MCTIC, Vanda Nogueira, as 28 rádios têm como ouvintes 80% da população paraibana, ou seja, quase 3 milhões de pessoas. As outras 23 emissoras têm 90 dias para pagar o boleto, cujo valor é calculado individualmente e pode variar de R$ 7 mil a R$ 200 mil.

Transformação

Kassab destacou que a Paraíba é o sétimo estado a receber o mutirão para agilizar o processo de migração de AM para FM. A força-tarefa já havia passado por Santa Catarina, em 17 de fevereiro, Minas Gerais, em 24 de março, Rio Grande do Sul, em 9 de maio, Goiás, em 31 de maio, Paraná, em 5 de junho, e São Paulo, em 23 de junho. O próximo destino deve ser Campo Grande (MS), em 21 de julho, com emissoras mato-grossenses e sul-mato-grossenses.

"Essa migração proporciona uma melhora sensível da qualidade do serviço prestado, tendo um som com bem menos interferência do que na faixa de AM e um custo que diminui bastante, já que os equipamentos são mais baratos, e a manutenção é quase inexistente", explicou Kassab. "Tudo isso aumenta a capacidade de investimento das rádios. Sobram mais recursos, porque o ouvinte fica satisfeito, o patrocínio chega mais fácil e, portanto, a receita entra, diante de menores despesas. Assim, mais profissionais poderão ser contratados e programas poderão ser melhorados. Quem ganha é o nosso país."

Das 1.781 rádios AM do Brasil, quase 1.500 solicitaram a mudança. Nesta primeira etapa, cerca de 960 veículos poderão operar na faixa atual de FM, de 88 Mega-hertz (MHz) a 108 MHz. As demais candidatas terão que esperar a conclusão do processo de digitalização da televisão, responsável por liberar espaço para todas as entidades que desejem fazer a modificação.

A mudança de faixa é uma reivindicação das emissoras AM de todo o país, que sofrem com a perda de qualidade do sinal, audiência e faturamento.  Ao migrar sua operação, as rádios também podem ser sintonizadas em dispositivos móveis, como tablets e smartphones, a fim de modernizar o serviço.

Em cada mutirão promovido pelo MCTIC, são assinados os termos aditivos de adaptação das outorgas, um dos últimos passos do processo para a mudança. Depois disso, as rádios devem apresentar um projeto técnico de instalação da FM à Secretaria de Radiodifusão (Serad) e solicitar à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) a autorização de uso da radiofrequência.

Também participaram da solenidade o senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), os deputados federais Rômulo Gouveia (PSD-PB) e Pedro Cunha Lima (PSDB-PB) e o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PSD).

 

Fonte: MCTIC