Publicador de conteúdo

Retornar para página inteira

Segundo Centro de Dados Compartilhados do país é inaugurado em Recife

Tecnologias da Informação e Comunicação

Segundo Centro de Dados Compartilhados do país é inaugurado em Recife

Soluções em datacenter com alta capacidade de armazenamento, compartilhamento e transmissão de dados, os CDCs integram uma iniciativa do MCTI e do MEC, em parceria com a RNP e a Huawei. O primeiro centro fica em Manaus.

Por Ascom do MCTI

Publicação: 30/10/2014 | 19:21

Última modificação: 06/11/2014 | 17:25

Para o titular do MCTI, a escolha das regiões Norte e Nordeste simboliza o esforço de integração nacional.

Crédito: Ascom/MCTI

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Clelio Campolina Diniz, inaugurou nesta quinta-feira (30) o segundo Centro de Dados Compartilhados do país, instalado no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco (IFPE), em Recife.

Participaram da cerimônia o secretário de Política de Informática do MCTI, Virgilio Almeida, o secretário de Ciência e Tecnologia de Pernambuco, José Antônio Bertotti, o diretor geral da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), Nelson Simões, o CEO da empresa chinesa Huawei, Jason Zhao, e cônsul geral da China Wang Xian.

O primeiro CDC foi inaugurado em 8 de maio de 2014 e está instalado no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI), em Manaus. 

A iniciativa do MCTI e do Ministério da Educação (MEC) é executada em parceria com a RNP, a Huawei e instituições de pesquisa do Norte e Nordeste do país.

Os equipamentos foram doados e instalados pela Huawei, e o projeto teve início com a viagem da presidenta Dilma Rousseff à China, em abril de 2011.

Integração e democratização

Segundo Campolina, não é necessária a distribuição dos equipamentos em todo o país porque o sistema está integrado e funciona em rede. "A escolha das regiões Norte e Nordeste é fundamental para simbolizar o esforço de integração nacional, criando competências locais e mobilizando a comunidade", disse. "Historicamente, Recife é uma referência no Nordeste por ser um grande centro educacional e econômico, passando por uma profunda transformação nos últimos anos".

Para a Reitora do IFPE, Cláudia Sansil, trata-se de uma oportunidade para continuar democratizando o acesso à pesquisa e atuando com políticas de inovação. "A partir do CDC, nossa pesquisa continuará sendo ampliada a cada ano, chegando com inovação tecnológica às comunidades, o que implica diretamente na melhoria da qualidade de vida e acesso a todas as pessoas".

O ministro ressaltou que o Brasil é um país de dimensão territorial muito grande, o que exige pensar em um projeto de nação que integre e supere as desigualdades regionais do ponto de vista social e econômico.

"Hoje, o carro-chefe das transformações tecnológicas são as tecnologias da informação e comunicação [TICs]. Essa é uma mudança ocorreu nas últimas décadas e teve um impacto decisivo na vida econômica, social e política", disse. "A inauguração desse centro será uma base robusta de dados integrados com todo o Brasil e internacionalmente. Uma a peça central nesse projeto de desenvolvimento".

TICs

De acordo com o secretário do MCTI, o setor de tecnologias da informação e comunicação representa algo em torno de 7% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Essa dimensão torna o Brasil um dos grandes mercados globais. "Recife é um polo avançado de tecnologia da informação, pois tem empresas, universidades e unidades de pesquisa, além de startups que atuam nesse mercado. Isso faz com que a região Nordeste esteja bastante avançada nessa área, que é uma área-chave do MCTI.

O executivo da Huawei lembrou a empresa tem estabelecido parcerias com líderes e representantes da indústria brasileira a fim de fomentar o desenvolvimento tecnológico e socioeconômico brasileiro. "Percebi que o Brasil ainda precisa de melhorias em TICs e computação. Doar esses equipamentos de última geração em computação em nuvem é uma forma de cumprir um compromisso social e com o desenvolvimento", afirmou Zhao.

Para o cônsul geral da China, o equipamento representa uma "nova fase na educação" da Região Nordeste, "um passo concreto para ampliar os serviços para estudantes, professores e pesquisadores". Leia mais.

Sobre os CDCs

Os Centros de Dados Compartilhados (CDCs) são soluções em datacenters com alta capacidade de armazenamento, compartilhamento e transmissão de dados, que fazem parte de uma infraestrutura de TI. O objetivo é oferecer esses serviços, que incluem software, dados, imagens e vídeos, para todas as instituições de ensino e pesquisa usuárias da RNP.

Os serviços de computação em nuvem operados pelos CDCs rodam em equipamentos de infraestrutura de TI montados no formato de contêineres. As estruturas de Manaus e Recife abrigam dois contêineres de sistemas (hardware e software) de energização, refrigeração, rede, monitoramento e armazenamento de dados.

Os equipamentos permitem atender, de forma escalonada e crescente, a demanda por recursos computacionais baseados nas atuais tecnologias de computação em nuvem, impactando nas atividades de colaboração da comunidade acadêmica no Brasil, através de uma arquitetura em nuvem que começa a ser disponibilizada no Brasil pela RNP.

Inicialmente, o CDC Recife irá hospedar os acervos da Agência Nacional do Cinema (Ancine), do portal de periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), além do acervo da Rede Universitária de Telemedicina (Rute), por onde são transmitidas cirurgias e procedimentos médicos feitos no mundo todo.

Sobre a RNP                                                                                                               

Qualificada como uma organização social, a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa é vinculada ao MCTI por meio de um programa que conta com a participação dos ministérios da Educação (MEC), Saúde (MS) e Cultura (MinC).

Pioneira no acesso à internet no Brasil, a RNP planeja e mantém a rede Ipê, rede óptica nacional acadêmica de alto desempenho. Com Pontos de Presença em 27 estados, a rede tem mais de 900 instituições conectadas e aproximadamente 3,5 milhões de usuários.

 

Texto alterado em 3/11/2014 para acréscimo de link

Fonte: MCTI