Universidades brasileiras acompanham primeira cirurgia captada a mil fps em 4K

Tecnologias da Informação e Comunicação

Universidades brasileiras acompanham primeira cirurgia captada a mil fps em 4K

Três instituições de ensino superior puderam ver operação oftalmológica em alta resolução por meio de um conjunto de softwares desenvolvido com apoio da RNP, entidade vinculada ao MCTI.

Por Ascom do MCTI

Publicação: 28/12/2015 | 17:00

Última modificação: 28/12/2015 | 16:50

Equipes do Laboratório de Aplicações de Vídeo Digital (LAViD) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), da Universidade Mackenzie e da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) exibiram as imagens da primeira cirurgia oftalmológica a laser captadas com uma câmera capaz de filmar mil quadros por segundo em definição 4K, um padrão de altíssima resolução, no CineGrid. A demonstração feita na Universidade da Califórnia em San Diego (UCSD), nos Estados Unidos, permitiu ao público ver com nitidez a ação do laser na córnea do paciente, o que não pode ser visualizado a olho nu.

Uma das tecnologias que permitiram essa experiência foi o Fogo Player, um conjunto de softwares criado por pesquisadores do LAViD, que torna possível a projeção de filmes na 4K e em 3D. Outra particularidade do sistema é viabilizar uma comunicação instantânea entre os envolvidos no evento transmitido e o público. O projeto vem sendo desenvolvido desde 2011, com apoio da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP/MCTI).

O vídeo foi captado e reproduzido sem compressão a mil frames por segundo (fps) em uma taxa de transmissão maior que 100 Gb/s. As imagens da cirurgia oftalmológica foram registradas com uma câmera especial Phantom, capaz de gerar em torno de um Terabyte (TB) de dados a cada três minutos.

A captação das imagens foi feita pelas equipes do Laboratório de Artes Cinemáticas (LabCine), da Universidade Mackenzie, e do Laboratório Telessaúde Brasil Redes da Unifesp. O projeto é apoiado pela RNP como parte das atividades do Comitê de Prospecção Tecnológica em Vídeocolaboração.

Para mais informações, clique aqui.

Fonte: RNP