Programa de educação ambiental da Nasa promove coleta de dados de larvas do Aedes aegypti

Biodiversidade Meteorologia, Climatologia e Hidrologia

Programa de educação ambiental da Nasa promove coleta de dados de larvas do Aedes aegypti

Agência Espacial Brasileira expande o programa Globe para incluir ações contra o mosquito. Professores e estudantes de 25 escolas de São José dos Campos (SP), Rio de Janeiro (RJ) e Paranaguá (PR) vão coletar dados sobre o mosquito em suas regiões e criar estratégias de prevenção nas comunidades em que vivem.

Por Ascom do MCTIC

Publicação: 18/05/2017 | 15:11

Última modificação: 22/05/2017 | 17:03

Crédito: AEB

A Agência Espacial Brasileira (AEB) – entidade vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) – prepara a expansão das ações do programa Globe, uma iniciativa da Nasa para coleta de dados ambientais em todo o mundo. No Brasil, três novas cidades vão participar do programa a partir do dia 29 de maio com foco na evolução do mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como dengue, zika e febre chikungunya.

São José dos Campos (SP), Rio de Janeiro (RJ) e Paranaguá (PR) serão palco da Campanha de Coleta de Dados e Estudos Científicos da Larva do Mosquito Aedes aegypti com o envolvimento de 25 escolas de cada um desses municípios. Durante cinco meses, professores e estudantes vão levantar dados sobre a larva do inseto, utilizando um aplicativo para dispositivos móveis desenvolvido pela Nasa. Dois treinadores do Globe virão diretamente dos Estados Unidos para ministrar os workshops, que também vão acontecer em outras três cidades do Peru.

"Fomos provocados, no ano passado, a participar da campanha de estudos científicos da larva do mosquito pela organização do Globe, nos Estados Unidos, juntamente com o Peru. Os master trainers vão capacitar professores a estudar o ciclo de vida da larva do mosquito Aedes aegypti. O que buscamos é fazer com que professores, junto com os alunos, utilizem a metodologia do Globe para identificar a larva do mosquito e, posteriormente, possam desenvolver uma estratégia para divulgar para a comunidade em que vivem os perigos do mosquito e como é possível prevenir uma infestação desse inseto, que pode levar a uma série de doenças", destacou o coordenador de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação da AEB, Jean Robert Batana.

As instituições que completarem o número mínimo de observações serão convidadas a participar do Simpósio Virtual de Ciência e Engenharia, onde apresentarão um projeto destinado a reduzir o risco de doenças transmitidas por mosquitos nas suas comunidades. "Esses dados vão servir para fazer a medição da quantidade de larvas de Aedes. E cada escola vai ter que montar um projeto para montar uma estratégia de combate à proliferação das larvas de Aedes nessas cidades. Aí, vamos poder comparar a situação nas cidades brasileiras e nas peruanas", explicou Batana.

As atividades começam por São José dos Campos, nos dias 29 e 30 de maio. Na sequência, o Rio de Janeiro recebe as ações de capacitação em 1º e 2 de junho. O calendário se encerra em Paranaguá, em 5 e 6 de junho.

As inscrições (disponíveis aqui) para participar dos workshops estão abertas, limitadas a 25 professores por município – sendo um por escola. É preciso fazer um cadastro do professor e da escola. Por conta do número limitado de vagas, deve-se aguardar o e-mail de confirmação do registro.

Meio ambiente

Além da capacitação no acompanhamento das larvas do Aedes aegypti, os professores também vão ser habilitados no levantamento de dados ambientais, principal atividade do Globe. As coletas de dados hidrológicos, de temperatura, umidade, precipitação e formação de nuvens serão feitas seguindo protocolos específicos definidos pela Nasa.

Os dados obtidos são inseridos na plataforma mundial do Globe e todas as unidades de ensino participantes podem consultar os dados obtidos ao redor do mundo. Atualmente, a ferramenta conta com mais de 140 milhões de dados disponíveis para serem manuseados.

Na avaliação de Jean Robert Batana, a iniciativa serve para conscientizar as novas gerações sobre os riscos das mudanças climáticas. "Também estamos conscientizando as crianças sobre as questões climáticas e preparando elas para entender o futuro do planeta. As transformações acontecem passo a passo e, quando incluímos as novas gerações, temos condições de nos preparar melhor para enfrentar o futuro", destacou Jean Robert Batana.

O que é?

O Globe é um programa mundial de educação ambiental desenvolvido pela agência espacial norte-americana, a Nasa. Presente em mais de cem países de todos os continentes, a iniciativa capacita professores para conduzir atividades de aprendizagem e medição científica de parâmetros ambientais por meio de protocolos específicos construídos pela Nasa. Durante as aulas, os estudantes desenvolvem diversas habilidades, como metodologias de investigação científica, análise de dados e aprendizagem independente. O programa permite ainda que os participantes se conectem com estudantes e cientistas de todo o mundo por meio de projetos de ciência.

Fonte: MCTIC